domingo, 23 de outubro de 2016

NOVAS REGRAS - Cartão Azul

Na sequência dos últimos 3 posts:

escrevo hoje sobre a aplicação do cartão azul.

Esta questão surgiu para que houvesse mais clareza sobre quando os árbitros iriam escrever relatório escrito sobre uma determinada ação, mostrando assim publicamente a intenção de o fazer.

No entanto, e até porque este é um ano de transição, a orientação para os árbitros é de exibirem o cartão azul em TODAS AS DESQUALIFICAÇÕES DIRETAS (não misturar com os casos em que o cartão vermelho surge na sequência de uma 3ª exclusão).

Procedimento dos árbitros
  • Desqualificação direta
    1. Os árbitros poderão reunir-se para tomar uma decisão conjunta;
    2. O cartão vermelho é exibido;
    3. O cartão azul é exibido;
    4. É efetuado relatório escrito;
    5. Um eventual castigo é decidido pelas entidades competentes.
  • Desqualificação por 3ª exclusão
    1. O cartão vermelho é exibido apenas devido à 3ª exclusão;
    2. Não é exibido cartão azul;
    3. Não é efetuado relatório escrito.
    NOTA: Assumo aqui que o atleta entretanto não tem qualquer atitude antidesportiva que justifique medidas adicionais, o que provocaria uma atuação diferente.

Ou seja, na base da regra, nada é alterado.
A exibição do cartão azul é um gesto meramente informativo, e indica que os árbitros vão escrever o que quer que tenha motivado a desqualificação. Não é sinal de qualquer sanção adicional, o que poderá ou não acontecer.

2 comentários:

Anónimo disse...

Boa noite,

A questão que eu venho colocar aqui não tem nada a ver com as novas regras nem com o cartão azul.
A questão é esta: é possível ser árbitro nacional e dirigir uma equipa como técnico principal?

Obrigado!

Carlos Capela disse...

Peço desculpa pelo atraso na resposta.
Li a questão e depois esqueci-me completamente de responder.

Não sei quais são as exigências ao certo para esta função, mas penso que, enquanto se é árbitro nível 1, há margem para se acumular as funções.