quarta-feira, 15 de agosto de 2012

O ÁRBITRO: UM EXEMPLO?

Eu ia fazer uma pausa de umas semanas no blogue, mas penso que este post se impõe e é oportuno.

Este post vai, certamente, provocar muitas divergências em quem o ler. Está relacionado com o caso recente do Luisão com o árbitro alemão, penso que toda a gente já viu as imagens, que também não são nada difíceis de encontrar no youtube.

Antes de mais, tenho de dizer que acho o Luisão um fantástico jogador e um verdadeiro líder. Transparece essa imagem e basta ouvir qualquer jogador do Benfica a falar para isso se tornar claro. Mas, por outro lado, acho que ele protesta um pouco demais do que devia, mesmo sendo capitão (função que existe no futebol). Por isso, acho que se "põe a jeito" para sanções disciplinares.

Mas o que me leva a escrever este post não é o Luisão, mas o árbitro.

O Luisão teve um comportamento condenável? Acho que sim. Fez uma abordagem ao árbitro extremamente imprudente, no mínimo. Acredito plenamente que ele não lhe queria tocar, mas o que é facto é que lhe deu uma peitada. E isso merece castigo.
Agora o árbitro... o que foi aquilo? Cena de cinema? De circo? Aquilo foi demasiado mau para ser verdade e não honra a classe da arbitragem. Se quer protagonismo na arbitragem, ele deve esforçar-se no desempenho da função, não a fazer aquilo. Acredito que o impacto o pudesse fazer cair, mas quase desmaiar? Enfim...

O árbitro tem de ser o que há de mais próximo de um exemplo de comportamento e de verdade desportiva. Não pode simular, não pode ceder a pressões. Ou pelo menos não deve.
Há momentos em que qualquer um quebra, pois ninguém é de ferro! Já me aconteceu, obviamente, ceder quando não devia, responder de forma errada ou dirigir-me a quem não devo. Mas isso são reações espontâneas (não menos graves, é claro), não são cenas daquelas.
Com que moral aquele árbitro vai punir uma simulação de um atleta depois daquilo?
Como vai ele olhar nos olhos de um atleta enquanto lhe mostra um amarelo a punir uma simulação?

Obviamente não estou a branquear o comportamento do Luisão. É mau e não é a primeira vez que ele se dirige de uma forma despropositada aos árbitros (como muitos outros jogadores, principalmente no futebol), mas ele não deve ser julgado pelo exagero da conduta de quem deveria ser o primeiro a zelar pela correção em campo. Deve ser julgado pelo que fez, não pelo que o espalhafato de outrém mostra.

Aos árbitros que me leem, peço que nunca esqueçam as suas responsabilidades em campo, pois devem ser os primeiros a mostrar correção e respeito.
A todos os outros agentes do desporto, peço que respeitem os árbitros, pois nós precisamos de estabilidade no desempenho da nossa tarefa, peço que confiem no julgamento de quem tem essa responsabilidade e que, quando tiverem de nos abordar, o façam corretamente.

É nossa obrigação respeitar-vos.
É vosso direito serem respeitados.

É vossa obrigação respeitar-nos.
É nosso direito sermos respeitados.

Em qualquer modalidade.

7 comentários:

Reporter disse...

Carlos
Ainda bem que decidiu escrever este texto.
Pela actualidade mas, principalmente, porque mostra o lado bom e o mau da figura 'árbitro'.
O exemplo que referiu, não abona em nada a arbitragem. Vi o jogo em directo e, desde logo, fiquei com a ideia de que Luisão não empurrou o árbitro. Se exagerou, e admito que sim, foi no encolher de ombros e em eventuais palavras.
O árbitro alemão disse que "parecia que tinha ido contra uma parede". Ora, quem vai contra uma parede não cai para trás como foi o caso.
Tenho já a indicação de que a UEFA e a FIFA procedeu como uma espécie de Pôncio Pilatos, lavando as mãos do acontecimento.
O processo seguiu da Federação alemã para a sua congénere portuguesa. E é esta que vai decidir se é ou não justificável um castigo para o brasileiro do Benfica. Será, claro, o Conselho de Disciplina a despachar 'a batata quente'. Que só é quente porque um senhor que devia dar-se ao respeito não o soube fazer.

Aplaudo a mãos ambas o seu apelo, Carlos, no sentido de se verificar um respeito mútuo.
Se o apelo for ouvido e seguido, todos respiraremos melhor.

Em qualquer modalidade.

Um abraço e, provavelmente, até Viseu...

Carlos Capela disse...

Estas decisões são sempre complicadas de tomar, principalmente porque mexem com muitas sensibilidades e são normalmente polémicas.

Por um lado, deve-se punir o Luisão porque não punir é um incentivo ao desrespeito aos árbitros.
Por outro, não se deve punir (severamente), porque aí vai estar-se a premiar uma ação tão absurda quanto ridícula dos árbitros.

Muito obrigado!

Um abraço.

Observador disse...

Carlos

O comentário 'assinado' por Repórter é meu.
Saíu trocado.
Mas o conteúdo mantém-se.

Um abraço.

Carlos Capela disse...

Sim, como lhe tinha dito, eu sabia!

Obrigado e um abraço.

Anónimo disse...

Bem, isto não é andebol mas ainda bem que escreveu este post.
Eu fiquei estupefacto com a posição da maioria dos jornais e comentadores que condenam o Luisão (e bem)e nem uma palavra sobre o arbitro.
Acho exactamente o que refere ou seja este arbitro não tem mais condições para se impor em qualquer lance de simulação. Temo bem que venha a sofrer as consequências pois não acredito que quem tem responsabilidades pelas nomeações deixe passar este episódio em claro.

Jorge Almeida disse...

Sr. Eng., já viu esta?

http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/sport/benfica/clinica-nao-viu-lesoes-no-arbitro

Se isto for verdade (o "Correio da Manhã" não é propriamente conhecido pela verdade a todo o transe), o árbitro ficou péssimo na foto.

Carlos Capela disse...

A ser verdade, confirma-se que esse senhor não tem condições para apitar mais jogo nenhum. Sou muito criticado por dizer isto, mas a confirmar-se que mentiu, este senhor é uma desgraça para a arbitragem e para quem se orgulha de ser árbitro.